• Twitter
  • Facebook
Home \ Halachot \ Tashlumim

Tashlumim

29.12.10  |   Halachot  |  Marcella Becker

BS”D

Introdução:

A reza da amidá foi decretada pelos patriarcas – Avraham decretou shacharit, Itschak minchá e Yaakov arvit. Porém, os horários nos quais devem ser faitas cada uma destas rezas vão de acordo com os sacrifícios que eram feitos no Templo (Beit Hamikdash) – nossas rezas os substituem, uma vez que hoje em dia não temos a possibilidade de fazê-los.

 

Tefilat Nedavá:

            Um dos sacrifícios feitos no Templo era chamado de Nedavá (presente). Ele era um sacrifício que a pessoa não tinha a obrigação de fazer, mas resolvia sacrificar por vontade própria.

Isto também ocorre na reza. Se quisermos rezar mais uma vez a amidá por vontade própria, também podemos, com a condição de que acrescentemos algo que não pedimos na reza anterior. Há quem diga que este acréscimo só é válido ser for um pedido sobre algo que não precisava antes, quando rezou a reza de obrigação.

O sacrifício de Nedavá não podia ser feito em shabat e iom tov, nem mesmo como mussaf. Assim, nestes dias, ou no mussaf, não podemos rezar uma reza a mais.

A pessoa que quiser rezar uma reza de “presente” para D’s, além das três rezas de obrigação diária, deve se conhecer ao ponto de saber que conseguirá ter intenção (cavaná) na reza do começo ao fim. Caso contrário, é melhor que não reze além de sua obrigação.

 

 Dúvida se rezou:

Em caso de dúvida se rezou a amidá ou não, deve repeti-la. Neste caso, é importante pensar (antes de começar a rezar) que, se na realidade já rezou, que esta seja considerada como uma reza de nedavá (presente).

            Se no meio da reza lembrou que já havia rezado e não teve a intenção citada acima, deve interromper a amidá onde quer que esteja. Não adianta ter intenção de nedavá (presente) após já ter começado a reza (pois não dá para trazer um sacrifício que seja metade obrigação e metade presente).

 

Tashlumim:

            Podem ocorrer casos nos quais, sem querer, a pessoa deixe de rezar a amidá: por esquecimento, por engano, estava doente, bêbado, dormindo, etc. Nestes casos, ou por outro motivo pelo qual a pessoa esteve impossibilitada de rezar, pode ainda recuperar esta reza através do tashlumim (reposição). Além destes casos, se a pessoa rezou, mas descobriu posteriormente que esqueceu de acrescentar algum trecho na amidá que a torne inválida, de modo que deveria rezar novamente e não o fez, deve rezar tashlumim, pois é como se não tivesse rezado.

Porém, caso tenha deixado de rezar propositalmente, não há tashlumim.

No caso da pessoa ter que fazer o tashlumim, ela deve agir da seguinte forma: na reza posterior a reza perdida deve recitar duas vezes a amidá, onde a primeira deverá ser feita com a intenção de estar rezando a presente reza e a segunda, para repor a reza anterior (tashlumim). Por exemplo, se perdeu shacharit, em minchá rezará duas vezes a amidá – a primeira vez pela própria minchá e a segunda, pela shacharit que perdeu. 

Caso tenha rezado a primeira amidá, com a intenção dela ser o tashlumim e a segunda com intenção de ser a reza atual, somente a segunda (que foi feita pela reza atual) é considerada válida, portanto, é necessário rezar mais uma vez para o tashlumim (pois deve ser feito após a reza atual).

            Caso tenha cometido algum erro na primeira reza, de modo que precisa repeti-la e só percebeu depois de já ter rezado a segunda amidá (tashlumim), não precisa repetir a reza de tashlumim.

            Entre uma reza e outra não podemos interromper, podemos apenas ouvir a chazará (repetição da amidá), rezar o tachanun (reza na qual pedimos desculpas pelos nossos erros), recitar o “ashrei” e começar a segunda reza (tashlumim).

            Se a amidá de tashlumim não for feita logo em seguida, há quem diga que não poderá mais ser proferida. Assim, quem não fizer o tashlumim imediatamente após a amidá atual, quando o fizer, deve pensar que caso não tenha mais a obrigação de tashlumim, que esta seja considerada como um reza nedavá (presente).

            A amidá de tashlumim só pode ser feita na reza seguinte. Se também esta já passou e a pessoa não tiver feito o tashlumim que deveria fazer, não há mais como recuperar. Neste caso é bom que se reze uma reza de nedavá, acrescentando pedidos e que tenhamos como intenção de que, se tivermos ainda a obrigação de tashlumim (repor a reza perdida) que esta seja considerada como tal.

            Se já passou todo o dia e não rezou mussaf, não há tashlumim.

            Se não rezou minchá da véspera de shabat, deverá rezar a amidá de arvit de shabat duas vezes. Se não rezou a minchá da véspera de rosh chodesh, deverá rezar a amidá de arvit de rosh chodesh duas vezes. Se não rezou a minchá de shabat, deve rezar no arvit de sábado a noite duas vezes a amidá de chol, onde na primeira deve dizer o atá chonantanu e não na segunda. Lembrando novamente que a primeira deve ser feita pela reza atual.

 

0 Comentários.

Deixe um comentário