• Twitter
  • Facebook
Home \ Derech Eretz \ O QUINTO MANDAMENTO: O RESPEITO AOS PAIS

O QUINTO MANDAMENTO: O RESPEITO AOS PAIS

30.01.11  |   Derech Eretz  |  Marcella Becker

(Extraído de “THE FIFTH COMMANDMENT – HONORING PARENTS”, com autorização do Editor “ArtScroll/Mesorah Publications Ltd., Brooklyn, NY.”)

A mitsvá de respeitar os pais é um preceito dos mais fundamentais, tanto é assim que faz parte dos Dez Mandamentos (Êxodo 20:12 e Deuteronômio 5:16).

O midrash (Devarim Rabbah 6:2) encara esta mitsvá como a mais difícil, já que a Torá compara o dever de respeitar os pais à obrigação de honrar D´us. Como assim?

Os Dez Mandamentos foram dados ao povo judeu inscritos em duas tábuas, cada uma com cinco preceitos. Em geral os primeiros cinco (Fé em D´us, proibição de praticar idolatria, proibição de jurar em falso, observação do Shabat e respeito aos pais) têm a ver com o relacionamento entre D´us e o homem, enquanto os últimos cinco (proibições contra o assassinato, a infidelidade conjugal, o seqüestro – roubo, o falso testemunho e a cobiça) são todos elementos que governam as relações entre os homens. O mandamento de respeito aos pais, interessantemente, aparece entre os cinco primeiros. Isto nos ensina que respeitar os pais não é apenas um dever interpessoal, de incumbência dos filhos no seu relacionamento com os pais, mas também uma mitsvá com impacto no relacionamento entre D´us e o homem (Menoras HaMaor, ver Sefer HaChinuch 33 e 212).

 

EXPRESSÃO DE GRATIDÃO

De acordo com o Sefer HaChinuch [um comentarista do século XVI] a razão subjacente desta mitsvá é dar expressão ao sentimento de gratidão em relação aos nossos pais, por ter-nos trazido ao mundo e por tudo que fizeram no curso das nossas vidas. Precisamos respeitar nossos pais de todas as maneiras possíveis como expressão do nosso agradecimento a eles, já que não há um traço de caráter mais desprezível aos olhos de D’us e dos homens que a falta de gratidão.

Além do mais, quando adquirimos este sentimento podemos reconhecer e ser agradecidos a D’us por tudo que Ele faz para o homem. D’us, que é a causa da existência de todas as pessoas – e dos pais das pessoas, e de todos os seus antepassados até chegar ao primeiro homem – traz cada ser humano a este mundo e o provê de todas as suas necessidades. Assim também D’us criou o homem com todas as suas capacidades físicas e o dotou com uma alma inteligente sem a qual ele seria tão insensato e pouco inteligente quanto um cavalo ou uma mula. Portanto, independentemente da percepção de ‘dívida’, o homem deve dar-se conta de todo o cuidado que deve tomar no seu serviço Divino.

 

LIÇÕES MAIS PROFUNDAS

Embora a mitsvá de honrar os pais se baseia no conceito de gratidão, mesmo quando os pais não dão nada aos seus filhos a obrigação de honrá-los não diminui. Para o Ksav Sofer [comentarista do século XIX] esta é a lição que a Torá nos ensina na segunda vez que os dez mandamentos são citados (Deuteronômio Cap. 5), onde está escrito que devemos respeitar os pais “como o Senhor, teu D’us mandou”. Ele pergunta: qual a importância desta frase, aparentemente supérflua? A mensagem desta expressão, explica ele, é que enquanto os judeus erravam no deserto, D’us, Ele mesmo, cuidou de todas as necessidades dos Seus filhos. Maná como comida, um poço de água, roupa que nunca se gastava e todas as outras necessidades da vida foram providenciadas por D’us, com quase nada proveniente dos nossos pais biológicos.

Não obstante esta situação, D’us mandou os judeus daquela época respeitarem seus pais. Então a Torá ensina que em todas as situações, mesmo uma similar à situação da época em que recebemos esta mitsvá (em que os pais não proviam os filhos com quase nada), somos obrigados a respeitá-los. Deste modo, de acordo com o Ksav Sofer, a Torá diz que um homem deve reverenciar seus pais (levítico 19:3). Mesmo quando a criança vira um “homem” crescido, que já não depende dos pais, ainda assim ele precisa reverenciá-los.

Comentários fechados.