• Twitter
  • Facebook
Home \ Halachot \ Halachot do Shemá Israel – Mezuzá

Halachot do Shemá Israel – Mezuzá

17.12.10  |   Halachot  |  administrador

Na continuação do Shemá vem a mitsvá da Mezuzá: Uchtavtam al mezuzot beitecha uvishearecha – “e escreverás nos umbrais de suas portas”. Novamente, vemos que sem a torá oral não entenderíamos a torá escrita, não entenderíamos o que é a mezuzá, nem o que escrever em nossos umbrais e nem saberíamos que deve ser escrito o Shemá Israel em um pergaminho.

Está escrito no Talmud (Menachot 33b) que D’s é diferente dos homens, pois um rei mundano fica no centro e todos o protegem por fora, enquanto com D’s, seu povo fica no centro e Ele os protege por fora, através da mitsvá de colocarmos mezuzot em nossas portas.

D’s nos dá uma casa que possui um valor muito alto e para comprarmos nossa própria casa não economizamos. Para santificarmos nossa casa, D’s nos pede um simples mandamento – de colocarmos mezuzót em todas as nossas portas (menos nos banheiros). Será que para esta mitsvá devemos economizar?

A mezuzá deve ser colocada do lado direito de quem entra e no começo do terço superior com a parte de cima inclinada para a entrada (ashkenazim). Já os sefaradim devem colocá-la verticalmente.

Antes de fixarmos as mezuzot em nossas portas devemos fazer uma bracha: “Baruch…asher kideshanu bemitsvotav vetsivanu likboa mezuzot”.

Algumas leis relacionadas com a escrita de uma mezuzá:

  1. Deve ser escrita com uma tinta especial de cor preta
  2. Deve ser escrita em um pergaminho especial
  3. Uma letra não pode encostar em outra
  4. Uma palavra não pode parecer duas palavras (ter um espaço no meio)
  5. Duas palavras não podem parecer uma (muito próximas)
  6. A letra deve estar completa, com todos seus traços se encostando (com exceção do hei e kuf)
  7. Uma letra não pode parecer outra
  8. Antes de escrever, deve-se dizer que está escrevendo em nome da santidade de uma mezuzá
  9. Antes de escrever o nome de D’s deve-se dizer que está escrevendo em nome da santidade do nome de D’s.

10.As letras devem ser escritas, portanto, não podemos formar letras através de apagar um erro ou formar letras a partir de outras apagadas.

11.Deve ser escrita em ordem, por isso, se ocorre algum erro, devemos apagar tudo até chegar ao erro, consertar e voltar a escrever.

Esse é o motivo pelo qual, muitas vezes, não podemos consertar mezuzót que apresentam erros, pois para consertarmos devemos apagar até chegar ao erro, o que muitas vezes é proibido, pois se no meio dos psukim que devemos apagar houver o nome de D’s, não podemos apagá-lo.

     Uma vez que há tantas regras, fica claro que não podemos comprar mezuzót em qualquer lugar. É importante frizar que comprar mezuzót em Israel não quer dizer nada. Infelizmente, a quantidade de mezuzót proplemáticas que há em nossa cidade é assustadora.

     Mesmo se a mezuzá já foi verificada, devemos saber que os itens 8, 9, 10 e 11 não podem ser verificados e, por isso, nos apoiamos no fato do sofer (escriba) provavelmente saber destas leis e tê-las aplicado devidamente.

Sendo assim, devemos tomar muito cuidado para comprarmos apenas de rabinos e pessoas de confiança, que saibam a origem e o sofer que as escreveu.

0 Comentários.

Deixe um comentário