• Twitter
  • Facebook
Home \ Parasha \ Chayê Sara – por Rav Netanel Tzippel

Chayê Sara – por Rav Netanel Tzippel

11.03.11  |   Parasha  |  Marcella Becker

BS”D

No “sacrifício de Ytzchak”, uma história que todos conhecemos, Avraham é posto sob um teste muito dificil, e aceita dar seu bem mais precioso ao Criador do mundo! E seguido a este teste, a Torá nos conta que Avraham voltou para casa e encontrou sua esposa Sarah morta. “E veio Avraham lamentar Sarah e chorar por ela”. Aquele que lê na Torá pode notar que na palavra ‘chorar’ (ולבכותה) a letra Kaf é escrita ligeiramente menor que as outras letras. Os explicadores da Torá perguntaram qual é o motivo disto?
No livro “Pirkei DeRabi Eliezer” (que foi escrito no século VIII por Rabi Eliezer Ben Horkenus – um dos rabinos da época da Mishná) está escrito que logo depois do sacrifício, o Satan (anjo mal) perguntou para Sarah: “Você soube o que aconteceu no mundo?” e ela respondeu “Não!”. Disse o Satan: “Teu marido velho, Avraham, tomou Itzchak e o sacrificou para D’us. Como Itzchak não pode fugir, chorou e lamentou”. Imediatamente Sarah começou a chorar e lamentar, com isso sua alma saiu de seu corpo e ela morreu. Quando Avraham voltou, a encontrou morta.
Os explicadores deste Midrash perguntam, qual era o objetivo do Satan ao fazer Sarah sofrer? O que ele ganhou com isso?
Depois eles nos esclarecem que a cada Mitzvá (mandamento Divino) que cumprimos somos merecedores de sua recompensa, por outro lado, quando alguém transgride um mandamento, D’us nos livre, ele é punido por isso. Porém, se um homem quer seguir o procedimento de Teshuvá (volta ao bom caminho) por uma transgreção, ele deve se arrepender, então está transgreção é apagada. E, assim como uma transgreção pode ser anulada e apagada totalmente, o arrependimento por ter cumprido um mandamento Divino – ao dizer ‘por que cumpri tal Mitzvá?’ ou ‘por que dei tanto valor para isto?’ – pode anular a recompensa pelo ato de cumprí-la. E estas são as palavras escritas no Tratado de Kidushin na guemará: “A justiça do justo não nos servirá como proteção no dia em que ele pecar – pois ele se arrependeu da primeira (de ter feito a justiça)”.
Por exemplo, havia um pobre que viajava e juntava dinheiro de caridade de pessoas. Reuven foi uma das pessoas para quem o pobre pediu dinheiro e lhe deu alguns reais. Passaram algumas horas, e Reuven ficou com muita fome. Ele pôs sua mão na carteira, mas, para sua surpresa, não tinha sobrado nenhuma moeda. Reuven pensou consigo: “que pena que eu dei este dinheiro de Tzedaká (caridade), se não o tivesse dado poderia comprar algo para poder comer…” – Infelizmente, Reuven se arrependeu de seu ato de cumprir um mandamento.
Isto era o que o Satan queria que acontecesse, ele tinha certeza que se fizesse Sarah sofrer até sua morte, causaria o arrependimento por parte de Avraham que cumpriu com a vontade de D’us levando seu único filho com Sarah, Itzchak, ao altar do sacrifício – anulando assim o grande valor deste ato. Porém Avraham se sobrepôs a mais este teste, não se arrependendo por ter levado Itzchak àquela prova de fé em D’us. Por isso a Torá escreveu a palavra ‘chorar’ com uma letra Kaf menor que as outras, dizendo que Avraham chorou menos que o esperado dele caso tivesse se arrependido por ter cumprido a ordem de levar itzchak como sacrifício. Avraham não queria que os outros pensassem que ele se arrependera de ato perante D’us, senão que sua fé era completa e sua felicidade por ter passado pela prova Divina ainda existia.

Comentários fechados.