• Twitter
  • Facebook
Home \ Halachot \ Chanuká – por Fábio Erlich

Chanuká – por Fábio Erlich

02.01.11  |   Halachot  |  Marcella Becker

BS”D

Muitas pessoas questionam e tem dúvidas sobre o acendimento propriamente dito das velas de Chanuká. Basicamente, sabemos que as velas de Chanuká devem ser acesas durante os 8 dias da festa, acrescentando uma a cada dia, até que no último dia, acendemos 8 velas, como forma de aumentar a propagação do milagre.

Vamos então imaginar uma hipótese em que uma família sempre se reúne todos os anos para acender as velas, que além de ser um momento muito sagrado, serve também para unir ainda mais pais e filhos. Ocorre que, por algum motivo, o marido ou até mesmo a esposa não conseguirão chegar a tempo para o acendimento das velas, assim que escurecer. Ou na hora, em que chegarem em casa, as crianças poderão estar dormindo.

Nesse caso, o que deve ser feito? Quem deve acender em casa? A esposa deve esperar o marido chegar e vice-versa, mesmo havendo possibilidade das crianças estarem dormindo caso isso aconteça? Até qual horário se pode esperar para o acendimento das velas?

RESPOSTA:

Antes de mais nada, deve-se dizer que antes de acendermos as velas de Chanuká, ou seja, no momento que antecede o acendimento, devemos ter cavaná (intenção) de estarmos cumprindo uma mitzvá, fazendo esse momento ainda mais especial e sagrado.

Na primeira noite de acendimento, temos 3 bênçãos a serem proferidas: “Lehadlik ner Chanuká”, “Sheassá Nissim” e “Shehecheianu”. Já a partir da segunda noite, recitamos apenas as duas primeiras. Caso a pessoa tenha se lembrado em uma das outras noites que não fez a 3ª brachá, deve fazer no momento em que lembrar.

Em primeiro lugar, no caso do marido não ter conseguido chegar a tempo em casa para o acendimento e a sua esposa na primeira noite acende as velas e tem a intenção de tirar o marido da obrigação de fazer a brachá de Shehecheianu, caso o marido venha acender na segunda noite, ele não pode recitar essa brachá, por mais que não tenha feito pessoalmente no 1º dia, uma vez que sua esposa já o tirou dessa obrigação.

No caso do marido estar em algum local em que estaria isento do acendimento das velas de Chanuká, como por exemplo, no avião, mesmo que sua esposa acendeu na 1ª noite e faz a brachá pensando nele, ele pode recitar a brachá de Shehecheianu na segunda noite em diante, de acordo com os Rishonim.

A regra geral é que a mitzvá para o acendimento das velas é “Ish Ubeito”, ou seja, o homem e sua casa, que significa o homem e sua esposa. Mesmo assim, no caso dos dois estarem presentes em casa, a esposa não pode acender sua própria vela e sim sair da obrigação do acendimento através de seu marido. Por isso, é recomendável que estejam no momento do acendimento junto com o marido, a sua esposa e seus filhos tanto no momento da recitação da brachá quanto no momento do acendimento das velas, escreve o Ben Ish Chai (Vaieshev, Alef).

A lei no caso de Chanuká é que uma pessoa que não acendeu as velas e não terá como fazê-lo durante toda aquela noite e as pessoas de sua casa não acenderam para ele ou mora sozinho, pode fazer brachá no momento em que olhar para as velas de Chanuká em algum lugar, mesmo que não tenha sido ele que tenha acendido e mesmo que nem conheça aquela pessoa. Porém, a pessoa não recita a brachá de “Lehadlik” e sim tão somente “Sheassá Nissim” e “Shehecheianu”, esta última no caso de ser a primeira noite.

No caso do marido ou da esposa não chegarem em casa logo assim que escurecer que é o tempo correto para ao acendimento das velas, temos que saber que por cavod, ou seja, pela honra da festa de Chanuká, temos que diminuir o nosso trabalho diário e acender. Mesmo que um dos cônjuges não esteja em casa, o ideal é acender ao escurecer para fazer a mitzvá da melhor forma possível ou caso isso não seja possível, que ao menos haja o acendimento em um momento em que a rua esteja cheia ou as pessoas ainda estejam acordadas, devido à propagação do milagre, ainda mais quando conseguimos fazer isso junto com os filhos. Depois deste tempo, a mitzvá é ainda válida, mas bediavad, ou seja, se aconteceu, sai da obrigação, porém não da melhor forma.

Que as velas que iremos acender nesta festa tão bonita e tão especial sirvam para que a nossa vida e nossos corações se encham de luz com a Presença Divina e que possamos aprender a cada dia mais a amar Hashem em todos os sentidos.

Chanuká Sameach

0 Comentários.

Deixe um comentário